O turista dos nossos dias é exigente, merece da nossa parte a maior atenção e se não se sente segurança e conforto… procura outros lugares

Francisco Antunes
Francisco Antunes

Na atualidade, grande parte dos turistas são pessoas idosas com dificuldade de visão, de audição, de mobilidade…não se admitem degraus com 20 – 25 centímetros de espelho, rampas de inclinações perigosas, corrimãos exteriores metálicos que queimam no verão…congelam no inverno…

De súbito…o pano subiu e no palco concelhio surgiram três boas unidades hoteleiras. Quebrou-se o enguiço: não vinham turistas porque não havia alojamento e não havia alojamento porque não vinham turistas!

Parabéns a todos: empresários, turistas, populações do concelho e da região.

Que tudo corra pelo melhor são os nossos votos coletivos.

De facto será o turismo, o Turismo da Natureza a base de sustentação futura da nossa economia – Beira Serra – uma das regiões mais deprimidas do interior do nosso País. É triste esta opinião, mas compare-se com a dinâmica do Alto Minho, do Douro vinhateiro, do interior Alentejano ou até com fervilhante linha Cova da Beira – Castelo Branco!!!

Beira Serra? Atrevo-me a limitar ou definir o seu território: toda a margem esquerda do Mondego desde a sua nascente até à foz do Alva junto a Penacova. Terras de Celorico, Gouveia, Seia, Oliveira, Tábua e Arganil. Região sem modernas vias de acesso, região de mal cuidadas, direi eu até desleixadas e inseguras vias secundárias.

O turista dos nossos dias é exigente, merece da nossa parte a maior atenção e se não se sente segurança e conforto…procura outros lugares.

Repare-se na irresponsabilidade ou desprezo daquelas misteriosas entidades a que por hábito chamamos “Quem de Direito”:

A N.230, estrada de interesse turístico, interrompida há mais de um ano na zona da Teixeira.

A estrada de grande beleza que liga a N17 à Ponte de Jugais, que passa por Vila Cova à Coelheira, interrompida há mais de um ano!

A magnifica via Portela do Arão-Lagoa, vandalizada sem qualquer reparação.

Publicidade enganosa: publicita-se Hotel a xis quilómetros…encerrado há anos!!!

Publicita-se “Posada”…encerrada e a degradar-se há muitos anos!!!

Postos de Turismo, sempre de difícil e complicado acesso…e encerrados Sábados e Domingos, exatamente quando os fluxos turísticos são mais intensos!!!

Estradas de montanha perigosas e de mau piso. Por ex: Vale de Maceira – Piódão, Piódão – Vide. Coja – Margaraça – Piódão, etc.

Mais: é verdadeiramente incrível que em frente à estrada principal de um Hotel…estacionem contentores do lixo, de lixos vários – aromas a condizer…o que naturalmente provoca…moscas na sala de refeições!!!!

Somente mais um reparo: na atualidade, grande parte dos turistas são pessoas idosas com dificuldade de visão, de audição, de mobilidade…não se admitem degraus com 20 – 25 centímetros de espelho, rampas de inclinações perigosas, corrimãos exteriores metálicos que queimam no verão…congelam no inverno…

Contudo recordo que o Turismo cria postos de trabalho diretos e indiretos, o Turismo estimula o comércio e a indústria locais, o Turismo enriquece culturalmente quem cá vive e quem cá vem.

Viajar é o único produto que se compra e com o qual ficamos mais ricos.

Acolher com simpatia aqueles que nos visitam é nosso timbre. Que o digam as centenas de famílias estrangeiras que nos visitaram e por cá ficaram!

Muito se tem feito sem dúvida, mas muito há para fazer. Estamos ainda, sem dúvida, numa fase embrionária!

Para terminar, um pequeno conselho de “raposa velha”: para fiéis informações de estradas, recorram aos Bombeiros em qualquer ponto do País: abertos 24 horas por dia dão-nos informações precisas sobre distâncias, tempos de percurso, curvas, inclinações e até…louvados sejam!!!! Informam que em Aldeia Velha a Jaquina Ruça tem um polvo à lagareiro “de babar” e em Aldeia Nova o Zé d´Amélia tem um cabritinho no forno…a estalar…a estalar!!! E no meio de uma sã gargalhada ainda acrescentam: “cuidado c´ó apito”!!!

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.