Alexandrino lamentou “retrocessos” na educação com fusão dos agrupamentos

Folha do Centro - Alexandrino lamentou “retrocessos” na educação com fusão dos agrupamentos

Autarca oliveirense marcou arranque do ano letivo com visita ao novo centro escolar de Nogueira do Cravo.

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital voltou a criticar a nova organização educativa no concelho, lamentando nomeadamente que, no arranque do novo ano escolar, os pais e encarregados de educação não tenham um “interlocutor” a quem se dirigir nas escolas dos seus filhos. José Carlos Alexandrino referia-se ainda ao processo de agregação de escolas, e à ausência, pelo menos até ao primeiro dia de aulas, de nomeação por parte da Direção Geral de Educação, de professores coordenadores para cada agrupamento, uma vez que em Oliveira do Hospital foi criado um único mega agrupamento na sede de concelho.

As críticas do autarca fizeram -se ouvir durante uma visita ao novo Centro Educativo de Nogueira do Cravo, onde se deslocou “simbolicamente” para assinalar a abertura do ano letivo. “Fiz questão de vir aqui para ver como estava a funcionar este equipamento e verificar se há algumas correções a fazer”, afirmou o edil, garantindo que “tudo o que era da responsabilidade da Câmara Municipal nesta área está a funcionar com normalidade”. Apesar de ter sublinhado o esforço da nova estrutura diretiva para pôr tudo em funcionamento no dia de arranque, Alexandrino não deixou de lamentar que o mesmo não tenha sido feito por parte da tutela, que deixou as escolas num “vazio diretivo”, obrigando à deslocação dos antigos diretores dos agrupamentos às escolas. “Lamentamos que isso tenha acontecido porque os pais precisam de saber quem são os coordenadores das escolas, precisam de ter um interlocutor com quem falar”, referiu o autarca e antigo professor, não poupando críticas uma vez mais à reorganização educativa no concelho, na medida em que irá “lançar mais professores e funcionários no desemprego”. “Não vale a pena andarem-nos a enganar, porque isso vai acontecer”, afirmou, lembrando aliás que no caso dos professores “já houve uma diminuição dos horários com o aumento do número de alunos por turma”. (leia mais na edição impressa)

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.