Alexandrino não quer “política da terra queimada”

Alexandrino assembleia

José Carlos Alexandrino apelou, na última reunião da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, a todos os eleitos naquele órgão autárquico para que “não se faça política da terra queimada”.

“Peço com humildade democrática e seriedade política”, começou por referir o presidente da Câmara Municipal, considerando que o atual momento, pós grande incêndio de 15 de outubro, deve ser “de respeito pelas vítimas e pelo apoio aos lesados”. Entende José Carlos Alexandrino que “da conjugação de esforços de todos, podemos fazer renascer Oliveira do Hospital”, porque a “terra está mesmo queimada e todos somos poucos para a fazer renascer”. O autarca apelou, por isso, aos eleitos para que se deixem de “declarações fáceis, quando a situação exige o melhor de todos nós”.

Num olhar para aquele que foi o pior dia da história do concelho de Oliveira do Hospital, o autarca apreciou a resposta dada por presidentes de Junta de Freguesias, Bombeiros, GNR, funcionários da autarquia e toda a proteção civil. José Carlos Alexandrino destacou o “trabalho coletivo”, rejeitando que tenha havido “deuses” ou “diabos”, para notar que todos os oliveirenses foram “heróis”. “Mais de 90 por cento (dos oliveirenses) acharam que tiveram a vida em perigo ou das suas famílias”, recordou, verificando que o que aconteceu em Oliveira do Hospital “não foi um fogo de grandes proporções”, mas sim um “ciclone de fogo”, situação que “é muito diferente”.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.