Falta de médicos está a colocar serviços de saúde à beira do colapso no concelho de Oliveira do Hospital

Folha do Centro - Falta de médicos volta a afetar Centro de Saúde de Oliveira do Hospital

Autarca admite tomar “posições mais radicais” caso não seja reforçado quadro do Centro de Saúde.

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital tem agendado para a próxima terça feira uma audiência com o presidente da Administração Regional de Saúde do Centro com o objetivo de encontrar uma solução para aquele que vem sendo um problema “crónico” do concelho: a falta de médicos para assegurar a assistência aos utentes do Centro de Saúde, nomeadamente no serviço de urgências, onde a situação tem estado cada vez mais caótica devido à saída de alguns clínicos sem que sejam substituídos.

José Carlos Alexandrino garante ter algumas propostas para apresentar à tutela de como resolver o problema da saúde no concelho, e admite mesmo poder vir a tomar “posições mais radicais” caso a situação de Oliveira do Hospital não seja tratada com caráter de “urgência”. “Temos a expetativa de que possa haver alguma luz verde porque este é um problema que tem de ser resolvido imediatamente” e se “ nós tomarmos posições mais radicais é porque nos obrigam” afirmou ontem o edil, na primeira reunião pública do ano do executivo camarário. Alexandrino lembra que apesar do Município não se querer substituir ao Estado, o executivo que lidera tem algumas propostas concretas a apresentar à tutela, mostrando-se disponível a ser uma parte da solução, nomeadamente ao nível do apoio à contratação e fixação de novos médicos no concelho. “ Levo algumas propostas para a reunião de terça feira, até porque o concelho dentro de pouco tempo ficará com mais de 50% da sua população sem médico de família, e isto é bastante dramático”, sustentou o autarca oliveirense que nas últimas semanas tem feito algumas visitas a este serviço, constatando que “tem sido com algumas dores de cabeça que este ainda se mantém em funcionamento 24 sobre 24 horas”.

Também o vice presidente da Câmara, José Francisco Rolo, fez notar a realidade dramática que se vive no concelho em termos de assistência médica às populações, lembrando que, pela primeira vez, desde que foi criado o Sistema Nacional de Saúde, há várias extensões de saúde nas freguesias sem médico, o que leva a que os utentes se acumulem na sala de espera do SAP do Centro de Saúde. “A dimensão do drama é esta: não há assistência médica nas freguesias, temos falta de médicos no Centro de Saúde e isto está a provocar o colapso deste serviço”, referiu o vereador, reforçando a ameaça que paira sobre mais de 50% da população oliveirense que “fica em risco de não ter assistência médica”, sendo que muitas pessoas também “não têm dinheiro para pagar consultas no privado”. (leia mais na edição impressa)

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.