Brexit poderá ser oportunidade de reconstrução da UE

Brexit

Tertúlia organizada pelo Centro Europe Direct Região de Coimbra.

O Centro Europe Direct Região de Coimbra, cuja entidade promotora é a Comunidade Intermunicipal  Região de Coimbra, promoveu no 18 de maio a Tertúlia “O Impacto do Brexit na economia”. Os  oradores convidados foram António Portugal (FEUC), Dina Sebastião (FLUC) e Dulce Lopes (FDUC). Das diversas temáticas afloradas ao longo de mais de uma hora, o impacto do Brexit em Portugal e na União Europeia aos níveis económico, político e social bem como a importância das próximas Eleições Europeias para o futuro do projeto europeu foram as que tiveram maior destaque.

Realizada no espaço FNAC no Fórum Coimbra, a tertúlia foi moderada pelo jornalista António Alves e abordou temáticas como o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia no contexto das económico, podendo prever-se que a EU ficaria privada do seu atual maior centro financeiro, como é Londres, sendo de prever que se perfilam Paris e Frankfurt ara a sucessão neste papel.
António Portugal, professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, considerou que o “país que mais irá perder com o Brexit é o próprio Reino Unido, entre outros motivos, tendo já em conta as perdas que já se verificam na economia britânica só pela possibilidade da saída da EU”.

A professora da Faculdade de Direito da UC, Dulce Lopes , acentuou que “a União Europeia tem o mérito de acolher todas as sensibilidades em termos de soberania, assumindo que tem de haver um trabalho diário de quem acredita nos princípios da União Europeia contra a desestruturação e que fará parte de um movimento de relançamento da União, que se espera”.

Dina Sebastião, professora da Faculdade de Letras da UC, realçou o enquadramento histórico do processo de saída da União Europeia, lembrando que já antes da década de 70, o Reino Unido marcou a sua posição relativamente a integração em organizações de cooperação internacional e não supranacional, como entendia então a União Europeia. A “entrada do país na EU foi o interesse no mercado comum, a potencialidade de desenvolvimento que estava a gerar, embora tenha mantido sempre as suas cláusulas de exceção”, nomeadamente em relação à moeda única e ao espaço Schengen.

A tertúlia integra-se nas ações do programa Desta Vez Eu Voto, da Comissão Europeia, que está a ser promovido também na Região de Coimbra pelo Europe Direct local e que inclui uma série de iniciativas nos municípios da CIMRC, nomeadamente ações nas escolas e exposições em diversos espaços públicos, que sensibilizam à participação cívica nas Eleições Europeias que se realizam no próximo domingo, 26 de Maio.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.