“Da forma como o país está a atuar não conseguimos vencer”

Folha do Centro - “Da forma como o país está a atuar não conseguimos vencer”

Grupo liderado pelo empresário tabuense Fernando Tavares Pereira assinala mais um aniversário com críticas às políticas económicas do Governo.

Folha do Centro - “Da forma como o país está a atuar não conseguimos vencer”

Foi em tom de desabafo que o empresário Fernando Tavares Pereira, patrão do grupo TAVFER, que detém entre outros negócios Centros de Inspeção Automóvel em mais de 65 concelhos do país, lançou, este domingo, algumas farpas à política económica do atual governo, que segundo o investidor, além “de não reconhecer os empresários deste país”, trata-os quase como “bandidos”.
“Era para fazer mais um hotel no Algarve, mas com aquilo que nos têm feito é complicado fazer mais investimentos neste país”, afirmou Fernando Tavares Pereira, durante o já tradicional convívio anual do grupo, que este ano juntou perto de duas centenas de convidados no hotel de Celorico da Beira. Menos que o habitual em anos anteriores, mas ainda assim foram várias as figuras de “peso” da região a marcar, uma vez mais, presença no aniversário das empresas TAVFER, entre presidentes de Câmara, empresários e destacadas figuras da região. Todos realçaram “a uma só voz” o espírito empreendedor de Fernando Tavares Pereira e o seu contributo para o bem estar social dos “outros”, preferindo pôr os seus capitais ao serviço do progresso e do crescimento das terras a que “pertence” a “ter uma atitude mercantilista” e de “especulação”.
Presente em todo o país, em setores como os Centros de Inspeção Automóvel, hotelaria, vitivinicultura, mas também com presença cada vez mais forte em vários de países de língua oficial portuguesa, nomeadamente Brasil, Moçambique, Cabo Verde, e mais recentemente Argentina, Fernando Tavares Pereira lamenta que o grupo se veja a obrigado cada vez mais a repensar os investimentos em Portugal, “tão mal tratados temos sido pelo nosso país”. “Iremos fazer mais alguns investimentos, mas queremos ser tratados como portugueses de primeira, não como temos sido até agora”, afirmou, responsabilizando os sucessivos poderes políticos de fazerem os empresários pagar a fatura por “aquilo que se estragou neste país”. “Os empresários precisam de ser acarinhados para que o país volte a ter progresso e saia de onde está, porque da forma como estão a atuar não conseguimos vencer”, exortou o empresário, visivelmente desiludido com a situação “económica e empresarial” que o país atravessa, e que no seu caso, já obrigou a “reorganizar” alguns investimentos que tinha projetado.
Para o empresário que está presente em diversos setores de atividade no país e no estrangeiro, Portugal só poderá ultrapassar a grave crise que atravessa se regressar ao “trabalho intensivo nas nossas empresas”, mas também se houver da parte da União Europeia um recuo em relação ao tratado de 2008, com a abertura das fronteiras e liberalização do comércio, que só “tem beneficiado a Alemanha”. Críticas que fizeram eco num encontro marcado pelas intervenções dos diferentes autarcas da região que, aproveitaram o convívio, para agradecer a Fernando Tavares Pereira tudo o que tem feito pelo desenvolvimento das suas terras e pelo bem estar das suas gentes. “É um homem que pensa nos outros e que trabalha para os outros”, realçou o presidente da Câmara de Carregal do Sal, onde o grupo TAVFER está sedeado, reconhecendo o “forte impulso” que as suas empresas têm dado ao concelho. Município particularmente contemplado com investimentos do grupo na área da vinha e da fruticultura tem sido Penalva do Castelo, razão que levou também Tavares Pereira a “agraciar” o atual presidente da Câmara, pela sua “gestão autárquica”. “É um verdadeiro self made man”, considerou o autarca penalvense, testemunhando “a felicidade” de o ter como investidor no seu concelho.
Autarcas, empresários, amigos de longa data, entre eles o conhecido jornalista desportivo, Fernando Correia, foram, de resto, unânimes em louvar o esforço do empresário, que apesar das “dificuldades e agruras que nos atingem”, tem conseguido manter os seus negócios em várias “frentes”. “Quando o conhecemos vimos nele aquilo que se chama hoje um empreendedor”, afirmou o presidente da Câmara de Gouveia, Álvaro Amaro, ressaltando uma das características mais “fortes” do empresário natural de Midões.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.