Homem atropelado fatalmente em Aldeia Formosa

Folha do Centro - Homem atropelado fatalmente em Aldeia Formosa

Vítima tinha 57 anos e encontrava-se caído na via quando foi apanhado por um carro que seguia no sentido Seixo – Vila Franca da Beira.

Um homem de 57 anos, residente em Aldeia Formosa, foi atropelado fatalmente na estrada 232, por uma viatura que seguia no sentido Seixo da Beira – Vila Franca. O acidente deu-se junto à Padaria de Aldeia Formosa, numa zona de reta, ainda que com pouca visibilidade durante a noite, o que terá sido fatídico para a vítima que se encontrava caído na via, quando foi apanhado pela condutora do veículo, também ela residente em Vila Franca. De acordo com o relato do presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, que se deslocou de imediato ao local do acidente, a vitima encontrava-se àquela hora de regresso a casa, a pé, depois de um jogo de futebol, que teria ido ver junto com os amigos ao café, em Aldeia Formosa, tendo, ao que tudo indica, escorregado, vindo a cair no meio da estrada. Na via encontrava-se ainda outro homem, com idade na casa dos 60 anos, que terá ido em auxílio de António José, que sofreu também alguns ferimentos com gravidade. Tudo aconteceu quando a viatura que seguia em direção a Vila Franca da Beira fazia uma ultrapassagem, não se apercebendo que havia gente caída na via, passando literalmente por cima dos dois.
António José terá tido morte imediata, e o amigo, foi transportado para os Hospitais da Universidade de Coimbra, com várias fraturas nas pernas e cabeça, segundo relatou o presidente da Câmara, José Carlos Alexandrino. “A rapariga entrou em estado de choque, ainda por cima vinha de um velório”, descreve o autarca, dando conta de mais “uma morte brutal” na zona da Cordinha, no espaço de uma semana.
A vítima mortal era funcionário na serração de Ervedal da Beira e, de acordo com Alexandrino, era o único elemento da família que trabalhava, já que a mulher se encontra desempregada. O casal tinha dois filhos e “é mais uma situação que temos para apoiar”, diz o autarca, que ainda recentemente, perdeu outro conterrâneo, o tesoureiro da Junta de Freguesia de Vila Franca Beira, também em circunstâncias absolutamente trágicas. Viriato Coelho foi vítima de gripe A, e deixa a mulher e dois filhos menores sem qualquer “fonte de rendimento”, já que o seu salário era o único a entrar em casa atualmente. A freguesia de Vila Franca volta a estar de luto com a morte de António José e com a forma como o acidente se deu, deixando um rasto de sofrimento “nestas famílias”, já que os envolvidos “todos se conheciam”.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.