Ministro da Agricultura apresenta novas medidas de apoio a 9 mil agricultores afetados pelos incêndios

Capoulas Santos

Capoulas Santos reuniu em Oliveira do Hospital com presidentes dos municipios mais atingidos.

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, apresentou, esta quinta-feira, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio aos agricultores afetados pelos incêndios de outubro, estimando em nove mil o número de profissionais e explorações atingidas pela calamidade do mês passado.

O governante esteve reunido com os presidentes das comunidades intermunicipais que foram mais atingidas pelos incêndios para explicar como serão aplicadas estas medidas, e foi anunciado, que as Câmaras Municipais e as juntas de freguesias vão ser envolvidas no processo de levantamento e validação dos prejuízos, de forma a que a concessão destes apoios aconteça de forma mais rápida.

De acordo com o ministro, uma das medidas vai permitir aos micro agricultores “independentemente da dimensão e de terem registo de actividade”, serem compensados a 100% dos prejuízos até ao montante de 1.053 euros. Já os agricultores “profissionais” vão ter ao seu dispor “medidas de apoio a 100%” entre os 1.054 euros e os 5.000 euros, e a 85% num escalão entre 5.000 e 50.000 euros. No escalão entre 50.000 e até um teto de 400.000 o financiamento será de 50% a fundo perdido, mantendo-se neste patamar o valor máximo do apoio para situações de perdas superiores, ou seja, 200 mil euros.

O período de candidatura para estes agricultores irá estar aberto durante cerca de um mês. Em declarações aos jornalistas desde Oliveira do Hospital, Capoulas Santos, fez notar que com estas ajudas o governo “está a fazer um esforço sem precedentes em situações de catástrofe”, não estando ainda contabilizados todos os prejuízos decorrentes dos trágicos incêndios do mês passado no setor, devendo todavia “ascender a algumas dezenas de milhares de euros”.

Além destes apoios, o ministro frisou que estão a ser “distribuídos cerca de cinco toneladas de alimentos para os animais nesta região”, preparando-se para, na próxima semana, iniciar um apoio “especifico” para um efetivo animal também ele especifico que são as abelhas, com a distribuição de mais de 70 toneladas de açúcar às organizações de apicultores para que a abelhas se possam alimentar enquanto não existir flora.

Confrontado com o facto de as medidas não chegarem para repor muitos dos investimentos perdidos, Capoulas Santos disse que o Governo está a “a ir tão longe quanto possível e quanto as disponibilidades e a regulamentação nacional e comunitária nos permite”. “É uma ajuda importante, mas naturalmente será sempre insuficiente”, sublinhou.

Apesar de constituírem um avanço em relação à proposta inicial, o presidente da Câmara de Oliveira do Hospital considerou também as novas medidas de apoio anunciadas pelo ministro da agricultura “insuficientes”, e espera que algumas das explorações agrícolas, como é o caso das queijarias, possam aceder aos apoios pela via da “indústria”.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.