“Ninguém tenha dúvidas que Oliveira do Hospital é hoje uma capital do queijo Serra da Estrela”

Folha do Centro - “Ninguém tenha dúvidas que Oliveira do Hospital é hoje uma capital do queijo Serra da Estrela”

Mudança do certame para o coração da cidade trouxe ainda mais visitantes à cidade.

Milhares de pessoas passaram este fim de semana por Oliveira do Hospital, naquela que se afirma cada vez mais como a maior festa do queijo do país.

Produtores e visitantes não têm dúvidas que o certame, devolvido este ano ao centro da cidade, foi um “sucesso” para o qual contribuiu certamente o “S. Pedro”, mas acima de tudo a organização que durante dois dias não deixou faltar nada nos vários “palcos” onde o evento se desenrolou. “Nem na EXPOH nunca vi tanta gente junta em Oliveira”, confessava, em jeito de balanço, uma expositora, ao mesmo tempo que elogiava a mudança de local para o coração da cidade.

Balanço “muito positivo” que de resto era partilhado dentro e fora da tenda principal da feira – onde se concentraram os produtores de queijo Serra da Estrela, enchidos e outros produtos locais de qualidade. “Acho que a feira aqui está melhor, as pessoas têm mais onde se divertir, tem outra vista não há dúvida nenhuma”, considera Paula Lameiras, conhecida produtora de queijo Serra da Estrela DOP, para quem a mudança de local da feira trouxe visivelmente mais movimento à cidade. “Foi bom em termos de negócio”, afirma a queijeira, satisfeita com toda a organização do certame. Inicialmente apreensivo com a ideia da mudança para o centro de Oliveira, o produtor Paulo Rogério não poderia ter aplaudido mais esta deslocalização. “Acho que foi um sucesso”, afirmava no final do dia de domingo, julgando que nada melhor para promover um produto tradicional como o queijo serra da Estrela, do que estar junto ao casco antigo da cidade, também este uma “zona histórica”.

“Acho que se queremos afirmar esta feira como a maior e a melhor de Portugal aqui tem outro realce”, referiu o pastor/produtor, alertando todavia para “algumas arestas a limar” em termos de organização, pois “aquilo que verificamos é que há gente que vem vender um produto, seja queijo ou enchidos, que não tem nada a ver com o que se quer promover com esta feira”. De resto “é de louvar estas iniciativas quer para os produtores, quer para a cidade” diz Paulo Rogério, agradado com o novo figurino da feira.

Um figurino anunciado há um ano pelo presidente da Câmara Municipal que se confirmou uma aposta ganha, em apenas dois dias. “Ninguém tenha dúvidas que Oliveira do Hospital é hoje uma capital do queijo Serra da Estrela”, afirmava, quase ao cair do pano, o autarca José Carlos Alexandrino, garantindo que a feira “veio para ficar” na principal sala de visitas da cidade. “Já não vamos sair daqui”, afirmou, lembrando que a mudança de local “não foi decidida de um dia para o outro” e perseguiu sempre o objetivo de tornar ainda maior e melhor o certame. “É preciso desmistificar a questão dos almoços: este ano a Câmara Municipal não pagou as refeições para ter cá visitantes, organizou apenas um conjunto de passeios para essas pessoas”, justificou o edil, que tem vindo a ser acusado de despesismo com a organização deste certame, nomeadamente quando no passado ofereceu um conjunto de refeições a grupos de excursionistas que se deslocavam dos vários pontos do país. “Houve claramente um investimento a esse nível que alguns não quiseram perceber, mas hoje temos o retorno como se pode ver aqui”, acrescentou, julgando que os críticos dos “almoços” para promover a feira “deviam hoje pedir-nos desculpas”.

Mesmo sem televisões em direto, a feira do queijo atraiu, este fim de semana, largos milhares de pessoas a Oliveira do Hospital, o que “não acontece por acaso”, segundo Alexandrino, que atribuiu o sucesso do certame “ao excelente trabalho de comunicação” realizado por um conjunto de pessoas que trabalharam na sua organização.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.