Oliveira do Hospital investiu oito milhões de euros em água e saneamento

Folha do Centro - Oliveira do Hospital investiu oito milhões de euros em água e saneamento

Câmara Municipal assinalou Dia Mundial da Água com o anúncio de novos investimentos neste setor.

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital assinalou, ontem, o Dia Mundial da Água com a abertura de uma exposição na Biblioteca da cidade, ocasião que serviu também para fazer um balanço do trabalho feito e para anunciar novos investimentos neste setor.

Um setor que, segundo o presidente José Carlos Alexandrino, é responsável por cerca de oito milhões de euros de investimento nos últimos sete anos, que se refletem sobretudo ao nível da melhoria da qualidade da água da rede pública, que é hoje considerada uma das melhores águas do país. “Hoje neste Dia Mundial da Água aquilo que digo aos oliveirenses é que podem beber água da torneira como eu faço, que é uma água de boa qualidade”, exortou o edil que deu conta de um novo pacote de investimentos a ser lançado brevemente, na ordem dos 1,5 milhões de euros, para a construção de 10 novas estações de tratamento de águas residuais (ETAR’s) no concelho.

Com estas infra estruturas, a Câmara Municipal vai acabar definitivamente com todas as fossas sépticas que ainda subsistem no concelho, entendendo o edil, que não faz sentido haver na mesma povoação, como ainda acontece, “uma parte da população que está a coberto de uma ETAR e outra parte que continua a não ter saneamento tratado”.

O autarca anunciou ainda a compra de uma limpa fossas que irá resolver a limpeza em situações em que “não é mesmo possível ligar à rede”, acabando assim com muitos problemas de esgotos a drenar para terrenos agrícolas. Nestes casos, os munícipes pagam o saneamento, e usufruem de um serviço de limpeza que será acionado, sempre que necessário, através de uma linha direta. Outro investimento há muito reclamado nesta área e que foi finalmente desbloqueado, ontem mesmo pelo secretário de Estado do Ambiente, é a requalificação da ETAR da cidade, num investimento de cerca de dois milhões de euros que, segundo Alexandrino, vai permitir resolver os problemas de impacto ambiental provocados por aquela infra estrutura que “não foi dimensionada para a quantidade de efluentes que recebia”.

Com este conjunto de investimentos, o presidente da Câmara não tem dúvidas que Oliveira do Hospital ficará “um concelho mais equilibrado em termos ambientais”, ficando apenas a faltar “pequenas pontas para quem cá estiver no próximo mandato”, afirmou. “Não há dúvida nenhuma que temos feito um grande trabalho nesta área, que é um trabalho que não se vê, que está enterrado”, referiu ainda o edil, lembrando que a Câmara de Oliveira deu um salto qualitativo neste setor, nos últimos sete anos, “ficando muito pouco por fazer”.

Um cenário que contrasta com aquele que encontrou quando herdou a Câmara Municipal em que “não havia uma estrutura definida para o setor” e em que “a qualidade da água era péssima”, tendo-se registado “aqui um grande avanço”, considera José Carlos Alexandrino, fazendo notar que Oliveira está hoje muito “adiantado” nesta área em relação a muitos outros concelhos.

Um salto qualitativo que, segundo o autarca, se repercute também ao nível da qualidade das águas da zonas balneares, onde é exemplo a praia fluvial de Alvoco das Várzeas que tem vindo a ser galardoada, desde 2014, com a Bandeira Azul – um símbolo de qualidade ambiental atribuído, durante três anos consecutivos, pela Associação Bandeira Azul da Europa.

A exposição “O Valor da Água”, que ontem marcou as comemorações do Dia Mundial da Água, está patente ao público, até esta quinta-feira, na Biblioteca Municipal de Oliveira do Hospital e deverá envolver a participação de cerca de 350 alunos do ensino pré-escolar do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital, que serão sensibilizados para a importância da preservação deste recurso natural indispensável à vida.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.