Presidente da Câmara exalta-se com vereador da oposição

Folha do Centro - Presidente da Câmara exalta-se com vereador da oposição

Em causa esteve um conjunto de críticas que o Nuno Abranches Pinto fez nas últimas reuniões do executivo enquanto Mário Loureiro esteve ausente.

O presidente da Câmara de Tábua, Mário Loureiro, acusou, ontem, num tom claramente exaltado, o vereador do PSD de falta de “ética” e de “respeito” pela sua pessoa, por este ter desferido um conjunto de críticas e de reparos à sua ação precisamente nas últimas reuniões do executivo em que não esteve presente.

O edil aproveitou ontem a reunião pública da Câmara Municipal para responder ao vereador da oposição, lamentando desde logo que Nuno Abranches Pinto tenha feito as críticas que fez nas suas “costas”, nomeadamente em relação à alegada “incompatibilidade” entre as suas funções de presidente do Município e o cargo de presidente dos bombeiros tabuenses. “O senhor criticou na minha ausência a minha ligação aos Bombeiros Voluntários de Tábua, isso não foi correto, nem é dignificante para si fazer essas afirmações”, contra atacou o autarca, lembrando que a sua ligação aquela associação humanitária tem mais de duas décadas. Além disso, ”se eu não pudesse ser presidente dos bombeiros, também não podia pertencer a muitas outras organizações a que pertenço” referiu, desafiando o vereador da oposição a candidatar-se ao lugar já que “estes lugares não se compram, são eleitos”, e assim comprovar a sua “simpatia e o respeito dos tabuenses”. “O senhor não é de Tábua, nem nunca foi, só veio aqui com o objetivo de arranjar um novo emprego como presidente da Câmara” atacou ainda o presidente, visivelmente indignado com a postura da oposição.

Surpreendido com os ”desabafos” do líder do executivo tabuense, Nuno Abranches Pinto acusou o “tom deselegante” em que este se dirigiu à oposição, apontando-lhe ainda falta de tolerância à crítica. “O senhor presidente devia saber que quando se ocupa um cargo público tem de se estar preparado para a crítica, não há hipótese de a evitar, aquilo que lhe peço é que suporte essa crítica com respeito e dignidade”, advertiu o vereador, não abdicando todavia de voltar a censurar o facto de Mário Loureiro ser presidente da Câmara e simultaneamente presidente dos bombeiros.

“Não é que tenha conhecimento de alguma ilegalidade ou desonestidade em relação à atuação do senhor presidente da Câmara, do ponto de vista da ética política a situação é que é censurável”, afirmou o vereador social democrata, entendendo que o seu papel no executivo não dever ser exercido com “subserviência”, nem “tumores” só para “não suscitar este tipo de discussões”.

Um debate duro que motivou também a reação do vereador do desporto, Ricardo Cruz, que terá sido acusado pelos vereadores do PSD de “acumular” o lugar de autarca com a condição de dirigente associativo. Atendendo à sua ligação desde muito jovem às mais diversas organizações juvenis e desportivas do concelho, Ricardo Cruz não deixou de considerar tais acusações ofensivas, exigindo mesmo um pedido de desculpas público aos vereadores da oposição.

Mário Loureiro aproveitou ainda para lamentar as considerações feitas por Nuno Pinto na última reunião de executivo a propósito de um estudo recentemente divulgado por uma consultora sobre os índices de qualidade de vida que colocava Tábua numa posição menos favorável comparativamente aos concelhos vizinhos, dizendo que “a credibilidade desses estudos deixa muito a desejar”, sobretudo quando as Câmaras não financiam determinados rankings. “Eu também gostaria de ver Tábua num lugar melhor, mas também percebo que há situações em que se nós não avançamos com dinheiro somos penalizados” e nesta medida “as suas críticas à posição que Tábua ocupa neste ranking é não respeitar os tabuenses”, considerou o edil, pondo em causa a isenção destes estudos que quando são pagos apresentam determinados resultados e quando não são parecem não contemplar determinadas situações.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.