Cidade fica com “ETAR para o século XXI”

Folha do Centro - Comunicado da Câmara Municipal sobre a ETAR de Oliveira do Hospital

Secretário de Estado do Ambiente inaugura obra de remodelação e ampliação da ETAR de Oliveira do Hospital.

O Secretário de Estado do Ambiente, João Ataíde, inaugurou na passada terça-feira, dia 2, as obras de remodelação/ampliação da ETAR de Oliveira do Hospital”, num investimento de cerca de 659 mil euros, cofinanciados em 85% pelo POSEUR, que se traduz numa melhoria da qualidade de vida da população e do meio ambiente.

Refira-se que a antiga ETAR de Oliveira do Hospital, que se encontrava a funcionar desde 2008, foi dimensionada para servir uma população equivalente a 12 mil habitantes, encontrando-se subdimensionada face ao caudal de efluentes da cidade.

Com esta intervenção, a ETAR passou a estar dimensionada, quer em termos hidráulicos, quer em termos processuais, para tratar os efluentes de uma população de cerca de 18 mil habitantes.

A infraestrutura, além de servir a sede do concelho, trata também as águas residuais de Aldeia de Nogueira, Nogueira do Cravo, S. Paio de Gramaços e Catraia de S. Paio.

O local de descarga do efluente tratado é na ribeira de Cavalos, curso de água pertencente à bacia hidrográfica do rio Mondego, considerada meio sensível, pelo que, a ETAR de Oliveira do Hospital assegura um tratamento de nível terciário das águas residuais, permitindo assim o  reaproveitamento de parte do efluente tratado como água de serviço.

“O nível de tratamento desta ETAR que fica apetrechada com tudo o que de melhor existe a nível tecnológico na Europa, traz uma ETAR para o séc. XXI”, afirmou na cerimónia de inauguração o presidente das Águas de Lisboa e Vale do Tejo, José Manuel Sardinha, que evidenciou o “potencial de futuro” desta infraestrutura que permite ao Município oliveirense ter uma linha de “reutilização de água”. “É uma nova fonte de água disponível para usos compatíveis”, referiu aquele responsável, lembrando que este é apenas o início de uma grande história de colaboração com o Município de Oliveira do Hospital, no sentido da reutilização da água proveniente do tratamento de efluentes.

Com um percurso de mais de 40 anos ligados à área do ambiente, a antiga ministra e atual presidente da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, Dulce Pássaro, destacou os “ganhos” que o país tem conseguido neste setor, que ainda não há muitos anos era um tema “incómodo”. “Conseguimos dar passos com muita celeridade nesta área”, observou, lembrando que o país apresenta níveis de qualidade neste setor comparáveis aos países do centro da Europa.

Também o presidente da Câmara Municipal, José Carlos Alexandrino, focou a evolução registada no concelho desde 2009, ano em que foi eleito para o primeiro mandato, não tendo dúvidas que se “há setor dentro da Câmara Municipal que sofreu uma grande remodelação e funciona bem é o setor das águas e do saneamento”. Nos últimos anos eram, todavia, muitas as queixas da ETAR da cidade, que pouco tempo depois de ter entrado em funcionamento em 2008, começou a dar problemas, com odores que chegavam à cidade. “”Este é um grande investimento na qualidade de vida das pessoas e na preservação do ambiente”, considerou o edil, orgulhando-se de hoje já não ter esgotos a correr a céu aberto nas aldeias do concelho, como acontecia no passado recente, para o que contribuiu o investimento num conjunto de estações de tratamento que asseguram atualmente uma cobertura de 88% do território.

O mesmo se passa com a água da rede pública distribuída no concelho, que é considerada uma das melhores do país, com parâmetros de qualidade próximos dos 100%.  O secretário de Estado enalteceu este trabalho de grande qualidade que o Município de Oliveira do Hospital tem feito nesta área, lembrando que a cidade de Oliveira do Hospital fica a partir de agora com aquilo a que chamamos de “fábrica de água”,  permitindo que as águas residuais possam ser reutilizadas.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.