Um percurso de sucesso no setor da construção civil

Manuel Silva Filho5

Desde 2007 que a empresa “Manuel da Silva e Filho”tem vindo a aumentar o volume de negócios.

Com três de décadas de existência no concelho, a empresa “Manuel da Silva e Filho, Lda”, é um exemplo de como, mesmo num cenário de crise profunda no setor das obras públicas e construção civil, é possível sobreviver e até fazer florescer os negócios. Fundada em 1982 por Manuel Silva, esta empresa de cariz familiar,conta desde 2007 com “sangue novo”, e com uma nova dinâmica, que tem sido responsável pela projeção da empresa dentro e fora de portas do concelho.
José Manuel Silva é o rosto da mudança na empresa fundada pelo pai, que juntamente com a esposa e toda uma equipa de “bons recursos humanos”, têm sido capazes de fazer a diferença num setor tão concorrencial como é a construção civil. “Estamos um pouco em contra ciclo com aquilo que é a realidade”, reconhece o administrador, consciente do momento difícil que o país atravessa, e que se repercute também no concelho, com o mercado da construção a ressentir-se da diminuição do poder de compra e acima de tudo, das dificuldades no acesso a financiamento bancário quer para particulares, quer empresas. Ainda assim, “não temos razão de queixa, estamos a subir o volume de faturação, e temos tido muita procura de novos clientes”, garante Sandra Silva, olhando com confiança para o ano de 2013, apesar dos ventos desfavoráveis que vão soprando neste setor da economia.
Com uma forte experiência em obras particulares, sobretudo construção de moradias e reabilitação de edifícios, a “Manuel Silva e Filho” tem granjeado prestígio onde quer que tenha feito trabalhos, o que num momento de contração do investimento, é o grande segredo para a empresa se manter à tona e cada vez com mais projetos. “Sabemos que quem está dependente só das obras públicas está a passar um mau bocado, nós não estamos tão virados para essa área, embora já tivéssemos feito, e por isso estamos um bocadinho mais otimistas”, consideram os gerentes da MSF, desde 2011 na primeira linha da Zona Industrial da cidade. “Foi um investimento que fizemos neste pavilhão, mas valeu a pena”, refere Sandra Silva, não tendo dúvidas da visibilidade que a empresa passou a ter desde que veio de Travanca de Lagos para Oliveira. “Já ganhámos clientes desde que estamos aqui” afirma José Manuel Silva, registando as vantagens de concentrar nas novas instalações “todo o equipamento e viaturas que ficavam na rua”, ao mesmo tempo que “conseguimos uma melhoria das condições de trabalho e da própria organização interna”, diz. Um investimento que correspondeu ao “salto” que a empresa se propôs dar, juntando ao “know how” do passado, o arrojo dos atuais gerentes, que querem fazer da qualidade do serviço e acompanhamento ao cliente a principal “imagem de marca” da empresa.
“Felizmente temos um leque de clientes muito bom, porque também apostamos na qualidade”, garante Sandra Silva, lembrando que esta “postura da empresa” tem-lhe valido o sucesso no mercado local e regional. “A atual conjuntura é que complicou um pouco as coisas, porque tínhamos lançado o loteamento “Alto dos Moinhos”, na estrada para Aldeia de Nogueira, que teve uma boa aceitação e onde já temos tudo vendido”, relatam os promotores do empreendimento que promete ser uma das áreas residenciais da cidade com melhor qualidade de vida. Trata-se de “uma oferta diferenciadora do que já existe a preços muito competitivos”, acrescenta Sandra Silva, lamentando que o mercado imobiliário esteja parado, em virtude da banca ter deixado, praticamente, de emprestar dinheiro para compra de casa.

Novo supermercado IG é principal “cartão” da empresa

Com um percurso de sucesso no setor da construção de moradias e requalificação de edifícios, a “Manuel Silva e Filho”, teve, em meados de 2012, provavelmente o maior desafio da história da empresa: construir o novo supermercado “Irmãos Gonçalves”, na cidade de Oliveira. Um desafio que foi encarado com empenho por toda a equipa, até porque, “sabíamos que se as coisas corressem bem, esta obra podia-nos lançar ao topo, mas também nos podia deitar ao chão se as coisas corressem mal”, garante o gerente, consciente da importância desta empreitada para o currículo da empresa. “Tivemos o cuidado de sensibilizar o pessoal para que tudo corresse como previsto, e toda a gente se esforçou, trabalhando ali noite e dia”, lembra José Manuel Silva, vendo na escolha da empresa “uma grande prova de confiança” da parte dos investidores. “Hoje esta obra é o nosso principal cartão de visita”, confessa assim o rosto mais jovem da MSF, confiante que outras se possam seguir com a mesma dimensão e não só.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.