Urgências a caminho do hospital

Folha do Centro - Urgências a caminho do hospital

Obras de ampliação da unidade hospitalar oliveirense devem arrancar nos próximos meses.

A Fundação Aurélio Amaro Diniz está a preparar o regresso do serviço de urgências ao hospital de Oliveira. Mais de duas décadas depois de terem sido transferidas para o Centro de Saúde, as urgências poderão estar novamente a caminho daquela unidade hospitalar, que prevê avançar “muito rapidamente” com a construção de um espaço físico para receber aquele serviço, nos terrenos contíguos ao hospital, que atualmente servem de zona de passagem e estacionamento dos funcionários.
Conhecido defensor desta mudança, o presidente do conselho de administração da FAAD, Álvaro Herdade, garante que o processo tem vindo a ser amadurecido junto da Administração Regional de Saúde, que tem mostrado abertura para a eventual saída do SAP do Centro de Saúde, até porque a tutela acabou em praticamente todo o país com os Serviços de Atendimento Permanente, transformando alguns em Serviços de Urgência Básica, como foi o caso de Arganil.
“De maneira nenhuma temos condições para trabalhar hoje em dia naquele espaço físico do SAP”, entende o médico, dando o exemplo recente de um acidente em que estiveram envolvidos vários sinistrados, onde foi visível claramente a “inoperacionalidade” do serviço de urgências local. “É impossível trabalhar naquelas condições”, afirma Herdade, questionando a manutenção de um serviço de urgência que nem RX tem já quase durante o dia. “Será que é compatível com as necessidades das pessoas termos hoje umas urgências com 6 horas de RX por dia, não termos RX à noite, nem ao fim de semana, não termos ecografias, nem análises”, constata o presidente da FAAD para quem “há neste momento todo o interesse de toda a gente em ter um serviço de saúde melhor e com menos gastos”.
Álvaro Herdade garante que além da qualidade do serviço prestado à população, os custos com a saúde dos oliveirenses acabam por ser menores, pois “andamos aqui a duplicar recursos”. “Já tínhamos poupado muito dinheiro ao erário público, se as urgências têm regressado há mais tempo ao hospital”, considera o médico, lamentando que se “ande a pagar um serviço que não serve a população”. “Temos que criar as condições para que amanhã possamos receber um verdadeiro serviço de urgências no concelho de Oliveira do Hospital que é o que não acontece hoje” reitera o presidente da FAAD, considerando mesmo este projeto “prioritário” para a instituição que dirige e acima de tudo para os utentes. “O objetivo é criarmos um espaço físico com sala de SO, sala de internamento de curta duração, e depois termos todos os exames auxiliares de diagnóstico à disposição dos utentes, tudo o que o SAP não reúne” considera o clínico, empenhado em andar “rapidamente” com as obras, para devolver aos oliveirenses um serviço de urgência “capaz de responder às necessidades do concelho”.
Num comunicado enviado à imprensa, o Conselho Diretivo da ARS Centro declara, porém, não existir qualquer compromisso com a FAAD para a criação de um serviço de urgência, ainda que, “e numa posição de abertura em relação ao assunto” tenha já solicitado à Fundação a apresentação de uma proposta para análise.

 

Acerca do Autor:

. Siga nas redes sociais Twitter / Facebook.